Aquarela do Brasil
Ary Barroso (1939) 

Brasil, meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro 
Vou cantar-te nos meus versos 
O Brasil, samba que dá 
Bamboleio que faz gingá 
O Brasil do meu amor 
Terra de Nosso Senhor 
Brasil! Brasil! 
Prá mim... prá mim...

Ô, abre a cortina do passado 
Tira a mãe preta do serrado 
Bota o rei congo no congado 
Brasil! Brasil! 
Deixa cantar de novo o trovador 
A merencória luz da lua 
Toda a canção do meu amor 
Quero ver a “sá dona” caminhando 
Pelos salões arrastando 
O seu vestido rendado 
Brasil! Brasil! 
Prá mim... prá mim...

Brasil, terra boa e gostosa
Da morena sestrosa 
De olhar indiscreto 
O Brasil, verde que dá 
Para o mundo se admirá 
O Brasil do meu amor 
Terra de Nosso Senhor 
Brasil! Brasil! 
Prá mim... prá mim...

Ô, esse coqueiro que dá côco 
Ôi onde amarro a minha rêde 
Nas noites claras de luar 
Brasil! Brasil! 
Ô, ôi essas fontes murmurantes 
Ôi onde eu mato a minha sede 
E onde a lua vem brincá 
Ôi, esse Brasil lindo e trigueiro 
É o meu Brasil brasileiro 
Terra de samba e pandeiro 
Brasil! Brasil! 
Prá mim... prá mim...